Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


A IMPORTÂNCIA DA RECONVERSÃO DAS FAIXAS DE PROTEÇÃO PARA A BIODIVERSIDADE PORTUGUESA

por Mäyjo, em 31.01.15

A importância da reconversão das faixas de protecção para a biodiversidade portuguesa

O transporte de energia é tão complexo como essencial para o nosso dia-a-dia, mas há  sempre questões que, ainda que nos passem ao lado, acabam por influenciar a forma como empresas e cidadãos olham para o tema.

Um dos objetivos diários da REN (Redes Energéticas Nacionais) é desenvolver um sistema energético mais eficiente, seguro e competitivo, garantindo o acesso de energia a todos e, de preferência, com o menor custo possível.

No entanto, este processo tem implicações a vários níveis, como já aqui lhe contámos. É na parte ambiental, porém, que estão alguns dos maiores desafios da empresa portuguesa.

Em 2009, a REN adoptou uma nova estratégia na gestão das faixas das linhas eléctricas: a reconversão da faixa de protecção ou, por outras palavras, a plantação, nessa mesma área, de espécies vegetais que asseguram uma maior compatibilidade com a exploração das linhas.

A medida tem tido uma boa aceitação por parte dos proprietários – que continuam a retirar da sua propriedade algum rendimento – mas a REN, os consumidores portugueses e a sociedade em geral também beneficiam com ela, uma vez que asseguram a diminuição do risco de incêndio e o número de intervenções nessa faixa.

Sendo o desenvolvimento sustentável um dos eixos da missão da REN, a empresa tem de gerir a melhor forma de o alcançar sem colocar em perigo a segurança da exploração das linhas – o que nem sempre é fácil de assegurar.

Com vista a garantir esta segurança é estabelecida uma zona de protecção –  a chamada faixa de protecção – com 45 metros de largura, ou seja, 22,5 metros para cada lado do eixo da linha.

Dentro desta zona, a REN tem de cortar ou decotar as árvores necessárias para garantir a distância mínima de segurança e os proprietários do terreno são também obrigados a não consentir nem conservar plantações que possam prejudicar as linhas.

O Sistema de Defesa da Floresta Contra Incêndios prevê um conjunto de medidas e acções de articulação institucional, planeamento e de intervenção para proteger as florestas contra incêndios. Assim, as faixas de proteção às linhas elétricas da RNT poderão vir a constituir as redes secundárias de faixas de gestão de combustível, caso as comissões municipais de defesa da floresta entendam que seja necessário para a estratégia da defesa da floresta contra incêndios.

Assim, e caso tal venha a acontecer, é necessário proceder à gestão de combustível numa faixa correspondente à projecção vertical dos cabos condutores exteriores, acrescidos de uma faixa de largura não inferior a 10 metros para cada um dos lados ao longo das linhas.

É aqui que surge o conceito de reconversão da faixa de protecção, que consiste na alteração do uso do solo – para agricultura (vinhas, pastagens, pomares), por exemplo – ou na substituição das espécies florestais existentes por espécies que permitam cumprir as distâncias mínimas de segurança entre os cabos condutores e a vegetação.

“Os objetivos passam pela compatibilização da vegetação com a presença das linhas; a diminuição do risco de incêndio; a valorização da paisagem e a promoção de espécies autóctones; a quebra da existência de áreas com a mesma espécie; o aumento dos ciclos de intervenção; a co-responsabilização dos proprietários e a redução de custos de manutenção”, explica a REN.

Para além de trabalhar muito de perto com os bombeiros, protecção civil ou GNR, REN associou-se há muito aomovimento ECO, um projecto que une várias empresas num único objectivo: ajudar a potenciar a prevenção dos incêndios florestais e sensibilizar a opinião pública para os comportamentos de risco.

Quais as melhores espécies para a rearborização?

As espécies a propor aos proprietários na rearborização dependem da conjugação das condições do solo e do clima, do risco de incêndio e a sua compatibilidade com a presença da linha (baixo porte e crescimento lento). Assim, estão na linha da frente a alfarrobeira, o azevinho, a azinheira, o carvalho, o castanheiro, o medronheiro, a nogueira, a oliveira, o pinheiro-manso, o salgueiro ou o sobreiro.

Para promover estes processos de reconversão da faixa de proteção em espaços florestais, a REN aliou-se à QUERCUS para estabelecer um programa de fomento e incentivo à criação de uma floresta autóctone com altos índices de biodiversidade. Este protocolo tem ainda como parceiros o Instituto de Conservação da Natureza e Florestas (ICNF) e o Governo de Portugal.

A maioria da floresta autóctone é compatível com a exploração das infra-estruturas da REN, nas condições de segurança que lhes são exigidas, não só em termos técnicos como nas responsabilidades impostas por lei.

Assim, todos ganham com o projecto: os proprietários, que conseguem tirar algum rendimento de espaços que anteriormente estavam abandonados; a Quercus e a REN, porque fomentam a utilização de práticas que contribuem para biodiversidade; e os consumidores e sociedade, por via dos serviços de ecossistema, defesa da floresta contra os incêndios e, claro, porque disfrutará de todas as comodidades do transporte de energia em sua casa.

Restauro de um ecossistema de montado de sobro

Plantação de castanheiro para produção de fruto

 

Plantação de pinheiro manso para produção de fruto (enxertia efectuada pelo proprietário)

Faixa de gestão de combustível (sem plantação)

 

Faixa de gestão de combustível (com plantação)

Faixa de gestão de combustível (em plantações de eucalipto)

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:18

ISRAEL: DERRAME MASSIVO DE PETRÓLEO EM RESERVA NATURAL DEMORARÁ ANOS A SER LIMPO

por Mäyjo, em 31.01.15

Israel: derrame massivo de petróleo em reserva natural demorará anos a ser limpo

No início de Dezembro do ano passado uma rotura no oleoduto de Eliat-Askeon, em Israel, provocou um derrame de petróleo para a Reserva Desértica de Evrona, perto do Mar Vermelho. Consequentemente, três a cinco milhões de litros de petróleo espalharam-se por cerca de 81 hectares da reserva.

O petróleo tem-se acumulado em ravinas, mas se não houver chuvas fortes pode ser possível que o crude não atinja o mar. Porém, os ecologistas do Governo israelita indicam que o derrame demorará anos a ser limpo. OInhabitat escreve que os trabalhos de limpeza começaram já, com equipas a aspirar o petróleo e a construir barreiras para impedir que o petróleo se espalhe mais.

“Como é que se cuida de um veado que está a correr e a mancar por causa do petróleo? Como é que se limpa a vegetação? Isto é um assunto muito complicado”, afirma o ecologista da Autoridade da Natureza e dos Parques, Roey Talbi. “Não temos experiência para lidar com um desastre desta escala. A limpeza pode demorar na melhor das hipóteses meses e na pior anos”, acrescenta.

O derrame ocorreu enquanto uma secção do oleoduto estava a sofrer manutenção de rotina. A secção fica entre a cidade de Eliat, na costa do Mar Vermelho, e a cidade de Ashkelon, na costa mediterrânica, perto da fronteira com Jerusalém. Os trabalhos de limpeza permitiram já a remoção de dois milhões de litros de petróleo e 20.000 toneladas de solo contaminado. A limpeza está a ser financiada pela Eliat Asheklon Pipeline Company, que é detida pelo Estado israelita.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:11

LIMA: PAÍSES CHEGAM A ACORDO PARA MEDIDAS CONTRA O AQUECIMENTO GLOBAL

por Mäyjo, em 31.01.15

Lima: países chegam a acordo para medidas contra o aquecimento global

Os países participantes na Cimeira do Clima das Nações Unidas, que decorreu em Lima, no Peru, acordaram, no dia 14 de dezembro de 2014, em aprovar medidas para reduzir as emissões de gases com efeito de estufa e combater o aquecimento global.

O documento final aprovado na cimeira, intitulado “A chamada à acção de Lima”, decreta que as 196 nações participantes vão ter de apresentar às Nações Unidas, antes de 1 de Outubro de 2015, compromissos “quantificáveis, ambiciosos e justos” para a redução dos gases com efeito de estufa, escreve o Inhabitat.

A Cimeira do Clima esta prevista terminar na passada sexta-feira, mas a falta de consenso obrigou a que os trabalhos fossem prolongados até domingo numa tentativa de acertar os termos do esboço para o novo acordo ambiental que deverá ser celebrado na cimeira de 2015, em Paris, e que vai substituir o Protocolo de Quioto.

Foto:  No More of this / Creative Commons

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:16

Lamberts Point Pier 6

por Mäyjo, em 31.01.15

Lamberts Point Pier 6

 

ae17a6e3-3706-4ddf-a167-b82618f42ae1.jpg

Norfolk, Virginia, USA

 

36.875248962°, -76.320259862°

 

Vagões de comboio cheios de carvão estão estacionados em Norfolk, Virgínia.

Operado pela corporação Norfolk Southern, Lamberts Ponto Pier 6 é a maior estação de carregamento de carvão no Hemisfério Norte e serve de depósito temporário de uma frota de 23.000 carros de carvão da empresa.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:56

Boynton Beach, Florida, USA

por Mäyjo, em 31.01.15

Boynton Beach, Florida, USA

8c6b3f7e-9811-437a-a3c3-3ae221c68659.jpg

26°31′41″N 80°4′35″W

 

Durante quase cinco décadas, a maior parte de Boynton Beach, na Florida, esteve ocupado com explorações leiteiras e a cidade tornou-se o principal fornecedor de leite de Palm Beach County.

No entanto, na década de 1970, as empresas de laticínios deixaram de ser rentáveis e as terras foram convertidas em conjuntos habitacionais, como o que a imagem mostra.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:51

Conflito congelado

por Mäyjo, em 31.01.15

Dinamarca reclama o pólo norte

Frozen conflict Dinamarca reclama o polo norte.png

Em 2007, uma expedição polar liderada pela Rússia, descendo através das águas geladas do Oceano Ártico em um Mir submarino, plantou um tricolor russa de titânio no leito do mar 4 km (2,5 milhas) sob o Pólo Norte. "O Ártico sempre foi russo", declarou Artur Chilingarov, um dos exploradores polares. No evento, teme que a ação iria detonar uma disputa por território ártico e riquezas revelaram-se infundados. Ao longo dos próximos anos, o Conselho do Ártico (uma loja de falar para os governos com territórios dentro do Círculo Polar Ártico, e outros que participam como observadores) se tornou muito mais influente e um dos poucos litígios fronteiriços ainda lá (entre a Noruega ea Rússia) foi liquidada.

Agora Dinamarca apostou uma reivindicação para o Pólo Norte, também. Em 15 de dezembro ele disse que, no âmbito da Convenção das Nações Unidas sobre o Direito do Mar (CNUDM), cerca de 900.000 quilômetros quadrados do Oceano Ártico ao norte da Groenlândia pertence a ele (Greenland é uma parte autónoma da Dinamarca). O timing foi acaso. As reclamações ao abrigo CNUDM tem que ser feita no prazo de dez anos após a ratificação da Convenção-e tornou-se lei na Dinamarca em 16 de dezembro de 2004. Mas seus conflitos reivindicação com os da Rússia, que entrou com seu próprio caso sob CNUDM, e (quase de certeza) Canada, que pretende afirmar a soberania sobre parte da plataforma continental polar (ver mapa).

O prémio para esses países é a riqueza mineral do Ártico, que o aquecimento global pode tornar mais acessível. As temperaturas na região estão a aumentar com o dobro da taxa do resto da Terra. De acordo com o Serviço Geológico dos Estados Unidos, a área tem um oitavo de petróleo inexplorado do mundo e talvez um quarto de seu gás.

Até agora, a maioria das pessoas têm assumido que a concorrência para desenvolver esses recursos seria cavalheiresco. O Ártico, um almirante norueguês disse uma grande conferência, há dois anos, é "provavelmente a área mais estável do mundo". Perfuração de petróleo e gás não é extremamente caro, ea queda dos preços do petróleo fizeram a economia de energia Arctic ainda menos favorável. Isto dá pretensos garimpeiros interesse em co-operação, não em adição aos riscos e custos.

O derretimento do gelo do mar do verão também abriu rotas comerciais entre a Ásia ea Europa através do topo do mundo; 71 navios de carga dobraram a passagem de nordeste no verão passado, ante 46 em 2012. E o comércio exige regras. Além disso, ao abrigo da UNCLOS, a maior parte das reservas energéticas e minerais conhecidos estão a 200 milhas náuticas zonas econômicas dos países de qualquer maneira. Então todo mundo tem interesse em minimizar conflitos e amigavelmente resolver aqueles que surgir.

Mas razões para contenção nem sempre são a prova de contra-de-sabre e chacoalhando-Rússia foi entregando-se que nos últimos tempos. Além de anexar Crimea, este Verão, realizados exaustivos exercícios de combate no Ártico pela primeira vez desde o fim da guerra fria. Ele re-equipar está bases soviéticas velhos lá e em julho testou o primeiro de seus foguetes de nova geração, chamada de Angara, a partir de um cosmódromo no extremo Norte. Suécia passou parte do verão em busca de um submarino russo que suspeitava de escorregar em suas águas territoriais.

A alegação da Dinamarca vai testar se a Rússia está disposta a seguir as regras no Ártico.Baseia-se em uma disposição do direito do mar, que diz que os países podem controlar uma área do fundo do mar se eles podem mostrar que é uma extensão de sua plataforma continental. (Dinamarca argumenta que o cume Lomonosov, que corta o Ártico, começa na Groenlândia.) Todos os países do Ártico, a Rússia incluído, se comprometeram a respeitar esta lei.

Em 2007, os russos entenderam as vantagens de fazê-lo. "Quando os mergulhadores russos plantou sua bandeira no fundo do mar do Pólo Norte", diz Per Stig Moller, um ex-ministro das Relações Exteriores dinamarquês, "Eu repreendeu minha colega russo, dizendo:" Só porque você plantar uma bandeira lá não significa que ele próprio. ' Ao que ele respondeu: "Só porque os americanos plantar uma bandeira na Lua ... '"

A partir da edição impressa: International

 

http://www.economist.com/news/international/21636756-denmark-claims-north-pole-frozen-conflict?fsrc=scn%2Ffb%2Fte%2Fpe%2Fed%2Ffrozenconflict

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:10

Choque das Civilizações

por Mäyjo, em 31.01.15

choque das civilizações.jpg

O mundo ficou perplexo com o atentado terrorista contra o jornal Charlie Hebdo, que fez 12 vítimas fatais na manhã de hoje, em Paris. Neste momento, assim como em 11 de setembro de 2001, vale lembrar a tese de Samuel Huntington sobre o "Choque das Civilizações". 


Huntington, famoso expert das relações internacionais, alerta para o risco de um choque entre oito civilizações que não partilham os mesmo valores, e notadamente entre as civilizações ocidental, islâmica e confuciana (as cinco outras, de acordo com ele, seriam: a latino-americana, a africana, a hindu, a eslavo-ortodoxa e a nipônica).

Otimistas, universalistas e mundialistas ficaram escandalizados. Huntington considera-os ingênuos. Seus opositores o acusam de induzir ao confronto, de formular uma "profecia autorrealizadora", quando, ao contrário, o que ele pretende é advertir. Os realistas não acreditam em uma aliança Islã-China antiocidental.

Desde então, tudo acontece como se – embora declarando rejeitar a "teoria" do choque de civilizações – um grande número de ocidentais, na esteira da administração Bush e dos neoconservadores, partilhasse do pensamento de Huntington e dele tirasse conclusões bem particulares.

Os praticantes do Islaminismo fundamentalistas têm uma posição igualmente radical e, como fizeram os cristãos por muito tempo, dividem o mundo entre fiéis e infiéis.

Outros ocidentais, bem como os muçulmanos moderados, negam tal perspectiva (essa "teoria") em nome do universalismo, mas, sobretudo, porque ele os preocupa.

Outros, por fim, estimam que o choque Islã-Ocidente, ao contrário, é um risco sério devido às minorias fanáticas e a uma profunda ignorância mútua que predispõe à desconfiança. Estes não combatem a "teoria", mas tentam afastar o risco e neutralizar os conflitos, propondo, para começar, a paz no Oriente Médio e preconizando o diálogo.

Fonte: BONIFACE, Pascal. Atlas do Mundo Global. São Paulo: Estação Liberdade, 2009, páginas 30 e 31 (adaptado).

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 17:55

Efeitos da Poluição Luminosa sobre o Meio Ambiente

por Mäyjo, em 31.01.15

1.jpgAlguns anos antes do início da instalação das lâmpadas a vapor de sódio, a emissão de luz para cima já se fazia notar pelo reflexo da luz das lâmpadas a vapor de mercúrio nas nuvens noturnas. Isto significa que o problema não está nas lâmpadas em si, mas nos formatos das luminárias que as abrigam. Estas, em maioria, cumprem a sua função de iluminar bem as nossas áreas públicas e particulares, mas, por descuido de projeto, emitem uma parcela substancial de luz para cima e para muito além das áreas a serem iluminadas. Essa luz que ultrapassa seus limites, além de inútil, causa diversos problemas ambientais.

2.jpgEsta fotografia, mostra o desperdício que apaga as estrelas. É essa luz, emitida directamente para cima, que não tem utilidade alguma. Pagamos por ela e a jogamos fora, em direcção ao espaço sideral e para dentro das casas das pessoas, causando problemas ambientais sem necessidade. A mancha vermelha, de forma oval, que aparece na parte superior da foto, é o fantasma do brilho da luminária de jardim de um vizinho. Essas imagens fantasmas também estragam as fotos de fenómenos astronómicos, que algumas vezes são muito raros. 

3.jpgNa fotografia astronómica é comum utilizar-se um tempo de exposição mais prolongado, para podermos captar a luz ténue das estrelas que não conseguimos observar a olho nu. Veja o que aconteceu com o céu noturno, e com a paisagem em geral, nesta foto com três minutos de exposição. Parece dia, mas não é. O céu ficou claro porque o filme captou e acumulou a luz que dele vinha, reflectida pelo ar numa noite quase sem nuvens. É a triste perda de um património natural de grande beleza e enorme importância para a Ciência.

4.jpgUm só campo de desporto, num clube situado no horizonte, a quilómetros de distância do Observatório, mostra bem como o alinhamento dos refletores direcionais está incorreto. Embora o campo esteja abaixo das luminárias, a luz está subindo a cerca de 45 graus com o plano horizontal. Veja o reflexo, no próprio ar, da luz desperdiçada numa noite de céu impecável para os astrónomos. Isto mostra que o problema da poluição luminosa é causado principalmente porque as pessoas não sabem que ele existe. Elas também não têm consciência de que estão perdendo muito dinheiro, incomodando outras pessoas, inviabilizando projetos de vida e interferindo negativamente com o futuro científico.

5.jpgUm simples estaleiro de obras, que utiliza refletores direcionais mal alinhados, emite luz para cima e a uma grande distância. Suas lâmpadas de brilho forte podem ser vistas do outro lado da cidade ou a partir dos aviões que sobrevoam a região. Uma pequena alteração de baixo custo poderia dirigir toda a luz apenas para a área útil, que ficaria com uma iluminação mais eficiente, não invasiva e esteticamente mais atraente. As pessoas não percebem que o excesso de luz é prejudicial até mesmo para elas próprias. A luz que atinge nossos olhos causa o fechamento de nossas pupilas. É esse ofuscamento que nos atrapalha, reduzindo a visibilidade das áreas que precisamos enxergar.

6.jpgEstas lâmpadas, instaladas na varanda de uma casa vizinha, praticamente não causam poluição luminosa. Sua luz não vai diretamente para cima porque elas estão abrigadas pelo teto. O problema aqui é, quase exclusivamente, a geração de luz intrusa, aquela espalhada para os lados, invadindo as áreas que pertencem às outras pessoas. Veja aqui também as manchas vermelhas, que são os fantasmas das duas lâmpadas. A solução seria um ressalto no teto, para baixo, ao redor da varanda.

 

Não podemos permitir que o céu noturno seja destruído sem necessidade. É a nossa Ciência que está ameaçada. A dispersão de luz para cima não é prova de progresso, mas atestado de incompetência. Na maioria das vezes, é o nosso dinheiro que vai para o espaço. São precisas leis mais abrangentes, que garantam a preservação de nosso meio ambiente para as futuras gerações!

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 17:54

Um globo animado que mostra o estado de tempo em tempo real

por Mäyjo, em 31.01.15

An animated globe that displays real-time weather

Tal como o próprio planeta, alguns dados são constantemente mudando, pelo que uma visualização estática estará sempre desatualizada.

Cameron Beccario criou um globo animado que exibe dados em tempo real, pelo menos para as próximas três horas. Cada vez que um usuário carrega a página web, ele mostra o tempo em todos os lugares do mundo.

O vento aparece representado pelas linhas cinza com uma cor por baixo que representa o índice de calor. Inspirado por um mapa de vento, de 2012, publicado por pesquisadores norte americanos, o projeto de Beccario também pode exibir as correntes oceânicas e a cobertura de nuvens.

Verifica: http://earth.nullschool.net/

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 17:46

A BELEZA DOS PADRÕES GEOMÉTRICOS DO PLANETA

por Mäyjo, em 31.01.15

A beleza dos padrões geométricos do planeta (com FOTOS)

Há quase 40 anos que o fotógrafo americano Alex S. MacLean documenta o planeta Terra visto de cima. Em 1975, o fotógrafo começou o projecto Landslides Aerial Photography, com o intuito de oferecer imagens ilustrativas a arquitectos, designers paisagistas, gestores de planeamento urbano e ambientalistas.

Com paisagens europeias e americanas a mais de 1.500 metros de altitude, as fotografias de MacLean revelam os padrões geométricos escondidos nos dois continentes. Este fotógrafo americano é um piloto com licença, que utiliza um avião em fibra de carbono com eficiência energética. Ao mesmo tempo que pilota o aparelho, MacLean documenta a natureza, campos agrícolas, elementos arquitectónicos e as actividades humanas.

MacLean estima que já tenha passado mais de 6.000 horas no céu a fotografar a América. Detentor de vários prémios tem as suas fotografias pulicadas em 11 livros, refere o Business Insider.

 

Veja algumas das suas fotos, unicamente de paisagens norte-americanas.

 O planeta visto de cima

 Beaverton, Oregon

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 16:32

Pág. 1/10



Este blog disponibiliza informação com utilidade para quem se interessa por Geografia. Pode também ajudar alunos que por vezes andam por aí desesperados em vésperas de teste, e não só, sem saber o que fazer...

Mais sobre mim

foto do autor


Siga-nos no Facebook

Geografando no Facebook

Pesquisar

Pesquisar no Blog  

calendário

Janeiro 2015

D S T Q Q S S
123
45678910
11121314151617
18192021222324
25262728293031

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.



Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D